Home Notícias Caridade na Internet: como identificar os golpistas

Caridade na Internet: como identificar os golpistas

por Notícias TI Forense

O Facebook está passando por uma onda de campanhas de captação de recursos falsas. A estratégia é familiar: os cibercriminosos começam grupos do zero, aos quais adicionam algumas postagens. Eles fornecem informações sobre transferência bancária junto com alguns comentários chorosos.

Esse tipo de grupo geralmente segue um modelo. Normalmente, logo no nome possui um pedido de ajuda e as publicações mostram histórias emocionais, em sua maioria sobre crianças com doenças terminais cujo sofrimento se reflete nas imagens e vídeos publicados na página.

Algumas das publicações são praticamente idênticas às de outros grupos especializados neste tipo de golpe. A única coisa que muda entre eles é o nome das crianças, seu diagnóstico e o hospital onde recebem o tratamento. Freqüentemente, as informações de contato e os dados da transferência bancária coincidem em vários grupos; portanto, esse é o indício mais confiável de que é um caso de fraude.

Todo mês, novos grupos com esse intuito aparecem e, apesar do encerramento rápido após as denúncias, alguns usuários caem e transferem o dinheiro para os golpistas.
Exemplo de grupos de caridade falsos no Facebook

Como você pode diferenciar as artimanhas dos golpistas de pessoas com problemas reais e fundações de caridade?

Obviamente, também existem pessoas com problemas reais em grupos do Facebook tentando arrecadar fundos. Portanto, você não precisa ignorar todas as solicitações de ajuda que receber online. Compilamos uma lista de dicas para ajudá-lo no processo de decisão e verificação sobre a autenticidade de uma campanha de levantamento de fundos para uma causa.

A data de criação do grupo e o conteúdo

Se um grupo tiver apenas algumas semanas e possuir somente três publicações, mas milhares de visualizações e compartilhamentos, é muito provável que seja obra de golpistas e cheats. Para que uma comunidade real se desenvolva, é necessário tempo e os organizadores desses grupos geralmente oferecem muito mais informações.

Pressão para fazer você sentir pena

Os golpistas usam vídeos chocantes, fotografias de baixa qualidade, discursos tristes, muitos pontos de exclamação e textos em letras maiúsculas, essas são as artimanhas para que você aja espontaneamente sem pensar seriamente na autenticidade da história.

As organizações respeitáveis ​​geralmente não recorrem a esses tipos de medidas, uma vez que é mais importante desenvolver relações de confiança com os doadores para que a ajuda aos necessitados continue no futuro. Portanto, eles apresentam as histórias de seus pacientes em texto simples, sem apelarem para um viés muito emocional e descrevem com detalhes o tratamento e como investem o dinheiro que recebem.

Por outro lado, os golpistas procuram arrecadar o máximo de dinheiro possível antes de fecharem o grupo, e recorrem à pressão emocional.

Por exemplo, os golpistas costumam afirmar que “quase alcançaram” o objetivo da campanha de arrecadação, apesar de a comunidade ser recente. Por outro lado, também alertam que precisam pagar uma “conta urgente” e que, por isso, precisam da sua ajuda (em dinheiro) imediatamente. Na pressa, é menos provável que você verifique a autenticidade da solicitação. Portanto, se eles dizem que precisavam de doações para “ontem”, você pode suspeitar.

Qualquer mãe desesperada pela doença do filho pode escrever um post emocional pedindo ajuda, mas é muito improvável que adicione poesia. Ou seja, é mais fácil que ela fale sobre os detalhes da doença e conte o que está sendo feito como tentativa de tratamento. Portanto, preste atenção a todos os fatores juntos, não apenas ao estilo de apresentação.

Sem documentação ou com informações muito confusas

De um modo geral, os grupos cibercriminosos não oferecem relatórios médicos ou qualquer outro tipo de registro oficial sobre o tratamento. Mas, caso apareça, leia-o atentamente e verifique se as informações correspondem ao que eles solicitam.

Por exemplo, em um grupo que está arrecadando dinheiro para o tratamento de uma menina com doença cardíaca, os organizadores publicaram imagens de relatórios médicos declarando que a criança tinha síndrome de Down. Ela pode ter problemas devido às duas doenças, mas o fato de publicarem informações irrelevantes que apenas confundem os usuários é um sinal claro de que esse grupo não é confiável.

A resposta para suas dúvidas

É comum que os usuários solicitem mais informações dos organizadores do grupo. Por exemplo: atualizações sobre a condição da criança, informações sobre a doença e os tratamentos prescritos, e até os nomes de médicos e enfermeiros. Em grupos falsos, os golpistas removerão rapidamente os comentários e expulsarão os usuários que os postaram.

Sites de fundações

Às vezes, são publicados links nesses grupos que levam ao site de uma suposta instituição de caridade. É assim que os golpistas tentam aumentar o nível de confiança em suas páginas e mostram que não estão apenas no Facebook. Se decidir acessar esse tipo de site, recomendamos que não insira nenhum tipo de informação, pelo menos não sem primeiro analisar cuidadosamente.

Comece verificando a data da última atualização e se o site contém um relatório de prestação de contas. Fundações de caridade são obrigadas a publicar essas informações. Se um site arrecada dinheiro, mas não informa como a organização o gasta, ele não é confiável.

Pense bem e ajude os outros

Ajudar os outros é uma coisa maravilhosa. No entanto, como em outras coisas da vida, você pode ajudar os outros sem agir impulsivamente e pensar bem como contribuir.

Para garantir que seu dinheiro seja bem utilizado e não acabe nas mãos dos golpistas, dedique algum tempo na verificação do histórico de qualquer arrecadação de fundos que encontrar. Talvez, a melhor opção seja doar seu dinheiro para fundações de caridade respeitáveis ​​e não para indivíduos. Dessa forma, você garante que seu dinheiro vá para onde você quiser.

Fonte: https://www.kaspersky.com.br/blog/fake-charity-scam/12310/

Artigos Similares

Deixe seu comentário